No mês em que o escritor santamariense Getulio Schilling completaria mais um ano de vida, a Casa de Memória relembra parte de sua trajetória e do legado cultural que deixou à sua cidade natal. Schilling além de produzir mais de 40 livros, foi o primeiro datilógrafo de Santa Maria e atuou como jornalista e cronista radiofônico. Suas obras, na época pouco reconhecidas, hoje são valorizadas pelo conteúdo relevante à memória da cidade e a prova disto, foi a publicação em 2005 do livro “A Arte Fotográfica e o Teatro em Santa Maria”, que contém dois textos inéditos do autor, doados por seu sobrinho Rolando Schilling ao amigo Edmundo Cardoso. A Coleção Getulio Schilling é uma das dez coleções do Grupo Personalidadesque ajudam a formar o acervo arquivístico da Casa de Memória. O conteúdo do conjunto documental pode ser conhecido no Guia do Arquivo, disponibilizado neste blog na página Instrumento de Pesquisa, e inclui, entre outros documentos, várias obras produzidas pelo escritor.

Polycarpo di Primio, um dos pioneiros da fotografia em Santa Maria, registra um momento da inauguração da Praça Cristovão Colombo, em 12 de outubro de 1903. O menino no centro da foto, em frente ao pórtico, com roupa escura, chapéu e grande gola branca é Getulio Schilling. Seu pai foi um dos idealizadores e construtores da praça, que hoje é conhecida como Praça Eduardo Trevisan. Foto de autoria desconhecida, do acervo Casa de Memória Edmundo Cardoso. (por Greta Dotto)

Anúncios